Mães de bebês com microcefalia recebem orientações de fisioterapia no Pedro I

maes_bebe_microcefaliaO Hospital Municipal Pedro I está realizando a I Semana de Estimulação Precoce do Ambulatório Especializado em Atendimento a Crianças com Microcefalia e outros distúrbios causados pela Síndrome Congênita do Zika Vírus. A ação consiste em uma oficina para ensinar as mães a fazerem exercícios de fisioterapia com os bebês em casa.

Estão sendo repassadas orientações que ajudam a estimular o desenvolvimento de algumas funções do corpo da criança e a diminuir os danos causados pela má formação ou por outras consequências da Síndrome. O curso segue até a próxima sexta-feira, 10, nos turnos manhã e tarde.

Atualmente, o Ambulatório atende a quase 60 bebês de Campina Grande e de outras cidades da Paraíba. “Nós estamos ensinando a como fazer exercícios de fisioterapia para que os bebês recebam mais estímulos em casa, já que é essencial fazer esta atividade contínua e de forma precoce, nos primeiros meses de vida, para produzir efeitos posteriores”, explicou a diretora da unidade, Alba Jean.

O curso também foi aberto para profissionais de saúde de outros municípios. “Como nós somos referência no acompanhamento aos bebês, as mães de várias cidades do estado e até de outros estados querem assistência no Hospital Municipal Pedro I. Nós atendemos o máximo de crianças possível e até fizemos, no mês passado, mutirões para realização de exames com bebês de todo o Sertão. Agora, abrimos este curso para profissionais de outras cidades, para que nos municípios onde não existe um serviço especializado, ao menos os profissionais possam contribuir para a evolução destas crianças”, explicou Alba.

O Ambulatório Especializado em Microcefalia do Pedro I conta com assistência multidisciplinar aos bebês, com neurologista, oftalmologista, cardiologista, fisioterapeuta, enfermeiro e outros profissionais, além de oferecer diversos exames. As mães também são acompanhadas por psicólogos. Mais de 600 mulheres já passaram pelo espaço, desde novembro do ano passado.

A Prefeitura Municipal de Campina Grande também firmou parceria com o Instituto de Pesquisa Professor Joaquim Amorim Neto, responsável pela pesquisa que identificou a associação entre o vírus da Zika e a Microcefalia. O Instituto passou a funcionar dentro do Hospital, para avançar nas pesquisas com os bebês.

Além destas ações, a Prefeitura Municipal de Campina Grande capacitou os trabalhadores das Unidades Básicas de Saúde para acompanhar o pré-natal das gestantes, observando alterações e encaminhando as grávidas com suspeita de Zika para o Instituto de Saúde Elpídio de Almeida. No Isea, elas passam por exames especializados e são encaminhadas para o Ambulatório, nos casos positivos para a microcefalia.

Além disso, a Secretaria Municipal de Educação já iniciou a elaboração de um projeto transdisciplinar para atender estas crianças na educação infantil futuramente. “Uma equipe está sendo consolidada e treinada para assegurar o desenvolvimento psíquico e físico-motor, dentro da escola, nos próximos meses”, disse a secretária, Iolanda Barbosa.

Fonte: Codecom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

TOPO