Médica do ISEA de Campina Grande fala sobre microcefalia no Senado

dra_adriana_senadoA médica Adriana Melo,  do Isea de Campina Grande,  a primeira profissional no Brasil a estabelecer a relação entre a Zika e a microcefalia no Brasil, informou que a ultrassonografia durante a gravidez é um eficiente meio de detectar o problema. Por isso, ela defendeu a melhoria da qualidade dos equipamentos e a capacitação dos profissionais.

A ginecologista e obstetra, cuja atuação já foi objeto de notícias em várias publicações internacionais,  foi uma das convidadas da sessão temática realizada na manhã desta quinta-feira (25) no Plenário do Senado para tratar do assunto.

— Em caso de dúvida, o diagnóstico é feito pela ultrassonografia durante a gestação. É possível fazer, mas tem que melhorar qualidade dos aparelhos e capacitar o pessoal. São coisas simples e que barateiam muito a assistência aos pacientes — alertou.

A especialista relatou o drama das mães de bebês com microcefalia e lembrou que, além de cuidados médicos, eles precisam de cuidados no campo social.

— Há muitas mães carentes e outras que foram abandonadas pelos maridos. A maioria não tem condições de cuidar de suas crianças — lamentou.

A médica relatou sua experiência que a permitiu associar vírus Zika à microcefalia e apresentou exames e detalhes técnicos sobre a enfermidade.

Adriana Melo defendeu ainda que as autoridades de saúde brasileira reforcem a orientação aos infectados pelo zika para que fiquem em casa.

— Muitas pessoas que estão doentes vão trabalhar. Tem que pensar nessa orientação. Em caso de doença, essas pessoas têm que ser estimuladas a ficar em casa. Na Europa, por exemplo, uma pessoa gripada é aconselhada a ficar em casa para não passar o vírus adiante.

Fonte: Codecom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

TOPO