Modelo de assistência a crianças com microcefalia de Campina Grande é apresentado no Recife

Dra_luzia_Iolanda_microcefaliaReferência no cuidado aos bebês com microcefalia e outras alterações neurológicas provocadas pela síndrome da zika congênita, o modelo de assistência integral implantado pela Prefeitura Municipal de Campina Grande foi apresentado para gestores de outros estados, representantes de instituições filantrópicas, universidades e agências do sistema ONU. A apresentação da experiência campinense aconteceu nesta segunda-feira, 18, durante uma reunião realizada pelo Unicef na cidade do Recife.

O objetivo do encontro na capital pernambucana é estabelecer diálogos entre os serviços de saúde, governos e pesquisadores para construção de metodologias de apoio às gestantes, famílias, e cuidadores de crianças com microcefalia e alterações no Sistema Nervoso Central. Para isso, o Unicef decidiu conhecer o trabalho das instituições participantes, como forma de identificar os pressupostos e bases para o desenvolvimento de formatos de trabalho.

As respostas de Campina Grande para o enfrentamento da microcefalia e do Aedes aegypti, transmissor da zika, dengue e chikungunya, foram apresentadas pelas secretárias municipais de saúde e educação, Luzia Pinto e Iolanda Barbosa, respectivamente. As gestoras enfatizaram a integralidade das ações desenvolvidas pela Prefeitura na garantia de direitos dos bebês com microcefalia, como também das famílias destas crianças.

A secretária de saúde explicou como funciona o ambulatório especializado do Hospital Municipal Pedro I, criado pelo prefeito Romero Rodrigues em novembro do ano passado para dar assistência às gestantes e aos bebês com microcefalia. Luzia Pinto destacou que o serviço oferece acompanhamento multiprofissional, com neurologista, fisioterapeuta, oftalmologista, otorrino e pediatra. “Além disso, estamos garantindo também o cuidado integral para as mães e mulheres grávidas que tiveram sintomas de zika, com psicóloga, obstetra e a oferta de exames”, ressaltou.

No tocante à educação, Iolanda Barbosa, informou que a rede municipal de ensino está se preparando para receber as crianças com microcefalia nas creches geridas pela Prefeitura. “Nossas gestoras das creches já estão em contato permanente com a equipe do ambulatório do Pedro I para conhecer a realidade das famílias das crianças. O próximo passo será a realização de processos de educação para os profissionais das unidades de ensino que disponibilizam berçários, a fim de que possamos garantir o direito à educação destas crianças”, assegurou.

Fonte: Codecom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

TOPO