PMCG inicia segunda etapa da vacinação contra febre aftosa

inj_aftosaA Prefeitura de Campina Grande, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura (Seagri), realizará a partir da próxima segunda-feira, 03, a segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa. A vacinação acontecerá durante todo o mês de novembro, período em que deverão ser imunizados cerca de 4,2 mil animais, e será realizada por duas equipes do Programa de Inseminação Artificial (Proinsa), que atuarão nas comunidades rurais. Na primeira etapa da campanha, realizada em junho passado, foram vacinados 3,9 mil animais.

A vacina será disponibilizada de forma gratuita para os pequenos e médios criadores de Campina Grande. Conforme a Seagri, nesta segunda etapa de vacinação a coordenação utilizará, como critério, o benefício da vacinação gratuita para os criadores que possuem até 100 animais.

A vacinação contra a febre aftosa será realizada conforme o seguinte calendário: Na primeira semana (03 até 07 de novembro), serão vacinados os animais localizados no distrito de Catolé de Boa Vista, enquanto na segunda semana (10 a 14 de novembro), as equipes farão a vacinação no distrito de São José da Mata. Na terceira semana (17 a 21 de novembro), serão vacinados os animais do distrito de Galante e na quarta semana (24 a 28), os do distrito de Galante e zona urbana.

Segundo o coordenador do Proinsa, Francisco Miguel de Melo, durante o período de vacinação as equipes do programa atuarão diretamente nas propriedades rurais que foram previamente cadastradas pela Seagri. “Oito pessoas, entre zootecnistas, veterinários e técnicos agropecuários, atuam no Proinsa. Para essa vacinação serão formadas duas equipes, compostas por quatro profissionais cada uma, para atuação nos distritos”, disse. Melo explicou que, após o animal ser vacinado, é aconselhado ao proprietário manter o animal no pasto.

Conforme a Seagri, a febre aftosa é uma doença de alta infecciosidade que acomete todos os animais de cascos partidos (bovinos, bubalinos, caprinos e suínos). Porém, a vacina é obrigatória apenas para os bovinos e bubalinos, uma vez que estes animais são considerados reservatórios naturais da doença.

São os bovinos e bubalinos que adquirem a enfermidade e passam para as outras espécies. A Paraíba hoje é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e Ministério da Agricultura como livre da doença com vacinação. Por isso, a necessidade de vacinar os animais duas vezes por ano. Maiores informações podem ser obtidas na Secretaria de Agricultura ou pelo telefone 3322-2173.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

TOPO