Procon divulga pesquisa de preços de comidas e bebidas no Parque do Povo

barraqueirosO Procon de Campina Grande realizou pesquisa com objetivo de orientar o consumidor a economizar durante o São João. O levantamento foi realizado no preço de bebidas e comidas comercializadas nas barracas do Parque do Povo. Foram pesquisados 61 produtos em barracas comerciais, onde os pesquisadores do Procon encontraram variações de até 260%.

Dentre as iguarias vendidas, a que apresentou maior variação de preço foi o queijo assado, com percentual de 240% e preços entre R$ 5 e R$ 17. Outro prato com variação elevada foi a delícia de macaxeira, 175% e preços oscilando entre R$ 8 e R$ 22.

O consumidor poderá encontrar a carne de sol simples com menor preço de R$ 20 e maior de R$ 53, variação de 165%. O filé com batata frita tem variação de 158% e preços entre R$ 24 e R$ 62. No caso da fava, os preços estão variando entre R$ 8 e R$ 14, diferença de 75%. A unidade da codorna frita está custando entre R$ 6,90 e R$ 10,50, variação de 52%. Já no preço da porção de batatas fritas os valores oscilam entre R$ 8 e R$ 15,50, variação de 94%.

Bebidas 

Foram pesquisadas várias marcas de aguardente, cerveja, energético, refrigerante, rum, vodka, vinho, uísque e outras bebidas. As maiores variações ficaram com o uísque Bell’s – litro (260%); uísque Old Parr 12 anos – litro (175%); uísque White Horse – litro (173%); Martine – litro (120%), vodka Sminorff Ice – dose (118%), caipirosca – dose (71%); cachaça Ypioca lata (67%); energético (50%); cerveja – lata ou latão (50%); água de coco (133%); refrigerante – litro (50%).

Dicas do Procon

O consumidor tem direito a informação clara e precisa sobre os produtos disponíveis e seus respectivos preços. O estabelecimento deve disponibilizar essas informações através de tabela na entrada do estabelecimento, e os cardápios devem trazer as mesmas informações, inclusive as características e composição dos produtos ofertados.

É direito do consumidor o consumo na medida de sua necessidade e vontade devido ao direito da liberdade de escolha. Assim, só poderá ser cobrado aquilo que for consumido, portanto, a cobrança de consumação mínima é irregular.

É proibida a elevação de preços sem justa causa, como também a cobrança de couvert artístico sem informação devida ao consumidor sobre os dias, horários e valor cobrado pela apresentação, expostas em cardápio.

Não poderá haver recusa à venda de bens ou prestação de serviços diretamente a quem se disponha a adquirir e será obrigatória a disponibilização de um exemplar ou cópia do Código de Defesa do Consumidor em cada estabelecimento.

Pagar 10% pelo bom atendimento do garçom é opção do cliente. O consumidor que se sentir constrangido ou obrigado ao pagamento deste serviço pode acionar o Procon.

As denúncias e reclamações poderão ser encaminhadas aos fiscais do órgão, pessoalmente na barraca do Telégrafo Nacional, na Praça da Catedral no Parque do Povo, ou através do telefones 8802-5525 (fiscalização).

A tabela com os valores de todos os produtos pesquisados encontra-se disponível ao consumidor campinense na sedo do Procon Municipal, situada à Rua Afonso Campos, nº 304, 2º andar, Centro, ou, ainda, através do endereço eletrônico: www.proconcg.pb.gov.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

TOPO